Blog

10 Dez 2020

Uma “ovelha que põe ovos” à procura do cisne negro

In Revista Exame – Novembro 2020

LUÍS MADUREIRA/Consultor em inteligência competitiva

É um conceito pouco ortodoxo, mas talvez seja o que melhor assenta no papel dos especialistas em competitive intelligence, define Luís Madureira. São profissionais que, como ele, recolhem e analisam dados de várias proveniências para ajudar organizações a antecipar e integrar tendências e a tomar decisões – ainda que, quase sempre, sejam chamados para “apagar fogos” em vez de indicar o caminho.

Texto Paulo Zacarias Gomes Fotos Marcos Borga 

Não acertam em tudo –na verdade, dizem que a regra é enganarem-se a longo prazo –, mas através dos seus frameworks de análise e interpretação de dados propõem-se dar indicações para ajudar as empresas a escolher e a crescer.

Luís Madureira é dos únicos profissionais acreditados em Portugal com o estatuto CIP II (master de competitive intelligence) e lidera, no País, o chapter da SCIP, comunidade de estrategas de inteligência competitiva. Em entrevista à EXAME, o especialista antevê o que pode acontecer neste domínio, nas próximas três décadas, muito por força da evolução tecnológica. E aborda a realidade nacional e internacional de um conjunto de ferramentas a que muitos recorrem, lamenta, só em caso de última necessidade.

O que lhe pedem normalmente? Que antecipe o comportamento do consumidor, para onde vai o mercado?

Dois grandes pedidos. Primeiro, “orienta-me e diz-me o que vai acontecer”, o early warning, qual tem de ser a estratégia agora. Depois, o foresight, aquilo que vai ser. Por exemplo, qual será o novo normal [pós-pandemia]? “Como posso posicionar-me para, em cinco anos, duplicar as minhas vendas?” Ou seja, identificar a oportunidade, o cenário futuro e o trajeto até lá. Pode ser através do perfil de um mercado ou de um concorrente, de um mapa conceptual de posicionamento, da análise de oportunidades e ameaças.

Onde é que a competitive intelligence se abastece, onde é que vai beber? E qual é o Graal sagrado, em termos de informação?

As fontes primárias são a cereja no topo do bolo, mas, com a quantidade de informação secundária que temos hoje, são quase negligenciáveis.

O que aí vem, a websemântica [extensão da World Wide Web que permite a computadores e humanos trabalharem em cooperação], ajudaria muito ao permitir reduzir o excesso de informação obtido nas pesquisas. Às vezes, podemos estar mesmo ao lado do “ouro” e não conseguirmos vê-lo.

Como é que Portugal se posiciona nesta matéria?

Empresas como a Galp ou a EDP têm departamentos internos de inteligência competitiva. Há outros casos, mas normalmente não cobrem todo o ambiente competitivo e não reportam ao CEO, mas sim, genericamente, a vendas, a marketing.

E servem para fazer o push da agenda dessas áreas. E não é isso que se pretende.

Que setores, em Portugal, teriam mais a ganhar com estas ferramentas?

É dificílimo responder, só analisando indústria a indústria. O critério é o potencial do impacto social, tecnológico e económico daquilo que eu vou encontrar. Por exemplo, no plano Costa Silva, começámos pelo fim, pelas soluções. Não pode ser. Tem de se começar por: onde estamos e onde é que poderíamos ser muito fortes. Ver os investimentos em infraestrutura para a frente, onde vão ser necessários, e não para trás, para aquilo em que estamos atrasados.

A nossa má posição em competitividade e produtividade na Europa está relacionada com alguma falta de inteligência competitiva?

Sim, é uma mistura. Não estamos habituados a decidir com dados; estamos habituados a decidir por instinto. Como já não somos muito organizados e é tudo à última hora, não pensamos muito bem as coisas.

Parece um desastre absoluto…

Não é bem um desastre absoluto. Somos muito bons a utilizar a nossa intuição. Na intuição estratégica, damos 10-0 a qualquer um. Se juntarmos a isto planeamento e gestão…

Estamos sempre a falar em temas sensíveis, perfis, dados usados para fintar a concorrência, o negócio… Quais são os limites éticos?

Máximos, temos um código de ética. Se tiver acesso a informação que ponha em causa o seu emprego ou o seu sustento, não posso passá-la. Não posso fazer-me passar por alguém que não sou para obter informação. Não posso vasculhar no lixo…

Não há fontes não éticas. O que pode haver é uma utilização não ética do meio.

Não há aí uma linha muito ténue em relação à espionagem industrial?

Eu não posso espiar, não posso estar a ouvir propositadamente a conversa do lado.

Já houve casos em que lhe pediram algo que percebesse que resvalava para um lado menos ético?

Nessas situações, faço-me desentendido e recuso o trabalho. Normalmente, isso não existe: as empresas estão relativamente sensíveis.

Há quem tenha medo de pedir um trabalho de inteligência competitiva, porque pensa exatamente isso. Mas há muita gente que vem da parte militar e tenta passar o que aprendeu aí para a parte privada.

E aí, às vezes, a coisa resvala um bocadinho.

O CEO de uma empresa que aparece numa notícia de uma revista cor-de-rosa associado a um escândalo. Usa essa informação? Pode ser útil numa campanha negra…

Nós não fazemos isso, nem alimentamos essa questão.

Conhece empresas que o façam?

Há todo o tipo de empresas no mercado, como agências de detetives. Mas isso não é inteligência competitiva, que deve ser uma garantia para as empresas de que estão a fazer a coisa bem feita, sem entrar em riscos éticos ou legais.

No entanto, eu, o Luís ou o Marcos [Borga, fotojornalista da EXAME], enquanto cidadãos e consumidores, não podemos  excluir-nos desse universo que empresas como a sua analisam… Se eu quisesse dizer que, a partir de hoje, o Luís não utiliza qualquer informação minha, não conseguia fazê-lo.

Sim, não pode. Mas tem o direito de não partilhar, de não pôr nada em ambiente público que não queira partilhar. E isso aplica-se a tudo.

E as pessoas têm noção disso?

Não, não. Nenhuma. As pessoas não percebem que são o produto.

É uma inteligência sobre concorrência, mercado, concorrentes e clientes reservada só a entidades com fins lucrativos.

Não, já fizemos a inteligência competitiva para uma associação [APCE – Associação Portuguesa de Comunicação Empresarial] definir a sua estratégia como organização.

Mas por uma organização não ser lucrativa não quer dizer que não procure o lucro se não o tiver, desaparece. Inteligência competitiva é o desenvolvimento de insights acionáveis sobre o ambiente competitivo (desde fatores políticos, legais, clientes, consumidores, concorrentes) que nos permitam melhorar a performance das empresas. Não é a lógica da concorrência, do “eu sou melhor que o outro”, mas sim como é que eu faço o shaping da minha indústria.

Imagine que tenho um pequeno negócio aqui na Baixa de Lisboa, que deixou de correr bem nos últimos três meses. Onde é que me posiciono, com quem falo? É que, se calhar, este é um serviço que não é acessível a todos…

Todos fazemos inteligência competitiva. Se eu for falar com o responsável desse negócio, vou estruturar com a minha framework aquilo que ele tem e o que ele sabe para que, do outro lado, saiam os insights. Mas ele já tem os dados quase todos. Pode usar sistemas como o Google Alerts, o Google Trends, que são ferramentas grátis. Qualquer empresa pode fazer isto com um custo mínimo.

Mas há de haver alguma vantagem em contratar um consultor e não fazer as coisas por casa. Quão caro fica?

O insight há de ser melhor, porque essa pessoa é um especialista. O preço depende muito do âmbito, mas vai de umas centenas a mais de um milhão de euros.

Nos últimos dois, três anos, fenómenos como a guerra comercial EUA-China e, agora, a pandemia exigiram mais da inteligência competitiva? As empresas recorreram mais por causa disso?

Quando há uma crise é que as pessoas se lembram de que precisam de inteligência competitiva. Infelizmente, chamam-nos quando existe um problema, não para crescer mas para resolver o problema, o que é superingrato. Na pandemia as empresas ainda estão no momento da reação, que é o que não deviam fazer. Têm de reagir no imediato, navegar à vista no presente e preparar-se para o futuro. São três oportunidades para que o negócio corra muito mal. Acho que ninguém está a fazer esta análise. O cliente está a pensar para o agora, e isso não é bom.

Todos deviam estar a fazer planeamento de cenários.

Como se usam estas ferramentas para resolver flagelos como as alterações climáticas e as desigualdades? As empresas pedem-lhe isso?

Há muito potencial, mas não pedem. Só vão pedir quando lhes entrar no bolso à séria, quando tiverem um problema de reputação social. Mas nós [consumidores] não somos melhores: dizemos que preferimos produtos orgânicos, mas depois escolhemos o preço mais barato.

Com as técnicas e a informação a que se tem acesso, a tentação é pensar que nunca se engana e raramente tem dúvidas.

Tem sempre dúvidas. Nesta área, quem não tem dúvidas não é um bom profissional.

Tenho de estar sempre à procura do cisne negro, de algo que negue o meu conceito.

O profissional de inteligência competitiva é um bicho muito raro, é como se fosse uma ovelha que põe ovos, tem de fazer tudo: ser psicólogo, perceber o usuário, o consumidor, [ser] um ótimo comunicador, fazer gráficos maravilhosos, escrever maravilhosamente bem e ser um data scientist.

E nunca se engana?

Enganamo-nos sempre. Quando fazemos foresight, a regra seria enganarmo-nos. Os pressupostos são alterados até ao momento em que se tenta prever. Só quero estar 80% certo: assim já sei qual a direção e vou estar preparado para ela. Tenho de ter o melhor e o pior cenários: o Graal sagrado é gerir no futuro.

Deixar uma Resposta

Ao continuar a utilizar este site, concorda com a política de cookies. mais informações sobre a Política de Privacidade

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close